Home Da Redação Escritor armênio-turco sofre maus-tratos em prisão na Turquia

Escritor armênio-turco sofre maus-tratos em prisão na Turquia

0

Via Asbarez e Hurriyet Daily News

O escritor e linguista Sevan Nisanyan
O escritor e linguista Sevan Nisanyan

O escritor e linguista armênio-turco Sevan Nisanyan, preso acusado de conduta ilegal, está sendo forçado a dormir no chão de sua cela e proibido de tomar banho, de acordo com a denúncia encaminhada por ativistas à mídia turca.

Nisanyan foi transferido para o regime fechado na semana passada após escrever uma carta pública denunciando como uma investigação foi aberta contra ele depois de ter acusado um guarda de roubar seu cartão de crédito.

Um grupo formado em solidariedade ao linguista, constituído por escritores, jornalistas e ativistas, expressou preocupação com a condição do preso:

“Nosso Estado insiste em dificultar as coisas para a Nisanyan, mesmo agora neste período turbulento. Nisanyan tem sido forçado a ficar exilado na prisão de Buca em regime fechado. Mesmo a prisão de Torbali, onde ele cumpria regime aberto, já era conhecida por proporcionar um tratamento doentio a um intelectual que tanto acrescentou a este país. Nós estamos envergonhados”, afirmou Sait Cetinoglu, escritor e membro do grupo de solidariedade.

De acordo com o portal T24, o grupo afirmou que Nisanyan tem sido forçado a dormir no chão, pois não há leitos disponíveis, descrevendo o fato como “tortura”. O tratamento que o linguista está recebendo será levado a público em todo o mundo.

Nisanyan foi sentenciado a dois anos de prisão pela corte de apelação em 2 de janeiro, acusado de construir ilegalmente um imóvel em Sirince, uma vila na província de İzmir, região que ele contribui para promover ao redor do mundo.

Ele terminou a construção da casa após a Justiça determinar que  área era de preservação ambiental, alegando que a conclusão era uma “decisão arbitrária”.

Em outro caso, Nisanyan foi condenado de 3 a 5 meses de prisão por cometer blasfêmia contra o profeta Maomé em um blog.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *