Home Da Redação Impunidade e vergonha da Comunidade Internacional: 10 anos do assassinato de Gourgen Margaryan
0

Impunidade e vergonha da Comunidade Internacional: 10 anos do assassinato de Gourgen Margaryan

0

Por ARA KHACHATOURIAN.  

GurgenEm 31 de agosto de 2011, o mundo assistiu em silêncio, com exceção dos armênios e alguns protestos isolados, a libertação do assassino Ramil Safarov que voltou para o Azerbaijão, onde foi recebido como herói e foi glorificado por ninguém menos que o  Presidente Ilham Aliyev .

Safarov foi o soldado azeri que em 19 de fevereiro de 2004 pegou um machado e matou o  soldado armênio Gourgen Margaryan enquanto ele estava dormindo em seu alojamento, em Budapeste, na Hungria, enquanto ambos estavam participando de um programa de treinamento como parte do Programa para Paz da OTAN.

A indignação com a decisão da Hungria de extraditar um homem que foi condenado e sentenciado serve como um lembrete de que a comunidade internacional, especialmente no Ocidente, que se proclamou o árbitro dos direitos humanos, não é senão uma farsa e um cúmplice na violação grosseira da justiça.

A dor da família Margaryan foi acompanhado por toda a nação armênia em luto e em estado de choque quando a Hungria decidiu extraditar Safarov e sua glorificação subseqüente, quando ele voltou para o Azerbaijão.

Para todos os efeitos, o assassinato de Margaryan continua a ser um crime impune e, para salvar as lembranças intermitentes pelo povo armênio, um capítulo quase esquecido nos 20 anos de negociações de paz para resolver o conflito de Karabakh.

 O assassinato de Margaryan demonstra a política anti- armênia inerente e contínua do Azerbaijão que dominou o governo de Baku  desde a sua independência pós-soviética (para não mencionar sua curta história como nação). No entanto, este ato abominável e sua posterior ” resolução ” deveria ter sido responsabilidade  da comunidade internacional , especialmente dos países do Grupo de Minsk da OSCE.

   Até hoje, o descaso descarado da comunidade internacional para as ações do Azerbaijão continua a animar o esse país a prosseguir as suas políticas de ódio e ameaças militares sem qualquer punição ou consequência.

As sucessivas administrações norte-americanas buscaram colocar  a opinião pública contra líderes como Vladimir Putin, da Rússia , da Síria , Bashar al- Assad e, mais recentemente, Viktor Yanukovich da Ucrânia, difamando -os por abusos graves dos direitos humanos e da opressão de suas respectivas populações.

Se usarmos a política dos EUA para a Rússia, Síria e Ucrânia ficará claro que o Azerbaijão não respeita os Direitos Humanos em nenhum aspecto.

Pergunta-se se pogroms sistemáticos de armênios em Sumgait, Baku e Kirovabad, o reinado de terror das forças azeris contra a população de Nagorno-Karabakh, um assassinato com um machado e a glorificação subseqüente de seu autor e as contínuas violações do cessar -fogo matando soldados armênios, qualifica os EUA e toda a comunidade internacional a revisar suas políticas de relações diplomáticas com o Azerbaijão.

O 10 º aniversário da morte de Gourgen Margaryan serve como oportunidade de colocar estas perguntas, e mais uma vez, levantar a nossa voz pela justiça de forma incondicional.

 

panelists-ara-khachatourian-and-harut-sassounian-r

Ara Khachatourian é editor do Jornal Asbarez da Califórnia 

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *