Home Da Redação Presidente da República Checa reconhece formalmente Genocídio Armênio

Presidente da República Checa reconhece formalmente Genocídio Armênio

0

Asbarez, PanArmenian

Em um encontro com o presidente armênio, Serzh Sarkisian, o presidente da República Checa, Milos Zeman, referiu-se aos acontecimentos de 1915 como Genocídio, reconhecendo seu centenário em 2015.
42D644E4-88C8-48BA-BAE8-972D21B53F45_mw1024_n_s

“O próximo ano marca o 100 º aniversário do Genocídio Armênio. Em 1915, 1,5 milhão de armênios foram mortos “, disse Zeman.

Senador checo apresentará projeto de lei do Genocídio

O senador Jaromír Štetina saudou a recente declaração do Presidente da República Checa sobre o Genocídio Armênio. O senador tem estado a favor do reconhecimento do Genocídio no decorrer de sua carreira.

Em uma conversa com Armenpress, Jaromír disse que pretende introduzir uma declaração sobre o reconhecimento do Genocídio Armênio para as relações exteriores e as comitês de defesa do parlamento checo na liderança até o 100º aniversário do Genocídio.

“A declaração será introduzido em 2015 à frente do 100 º aniversário do Genocídio Armênio. Gostaria que o Senado checo junte-se aos parlamentos civilizados que já reconheceram o Genocídio Armênio. Os trabalhos preparatórios para a declaração serão iniciados no final de 2014”, afirmou.

Jaromír espera que a visita oficial planejada pelo Presidente da República Checa à Armênia, a convite do presidente armênio, contribua significativamente para a adoção de um projeto de lei de reconhecimento do Genocídio.

O Senador também elogiou o encontro do presidente armênio com o líder espiritual da República Checa, o cardeal arcebispo de Praga, Dominik Duka, que também apoia o reconhecimento do Genocídio Armênio.

Síria

Na última semana o presidente sírio participou de uma longa entrevista com a Agence France Presse (AFP) sobre a situação trágica na Síria. Bashar al-Assad fez uma referência inesperada para os massacres de 1,5 milhão de armênios. Esta é a primeira vez que um chefe de Estado sírio reconheceu os assassinatos em massa de armênios e identificou o agressor como a Turquia Otomana.

Durante a entrevista, o presidente comparou o Genocídio Armênio de 1915 com os assassinatos brutais de civis por combatentes estrangeiros atualmente na Síria: “O grau de selvageria e desumanidade que os terroristas atingiram nos lembra do que aconteceu na Idade Média na Europa mais de 500 anos atrás. Em tempos mais modernos, nos lembra dos massacres perpetrados pelos otomanos contra os armênios quando mataram um milhão e meio de armênios e meio milhão de siríacos ortodoxos na Síria e em território turco”.

Não surpreendentemente, dois dias depois, Bashar Jaafari, embaixador da Síria nas Nações Unidas em Genebra, fez uma observação semelhante: “E o Genocídio Armênio, onde 1,5 milhão de pessoas foram mortas?”.

[NOTA DA REDAÇÃO] A declaração de Assad, porém, não tem o objetivo de agradar os armênios, mas sim de provocar a Turquia, país que tenta de todas as formas derrubar o governo de Assad com o envio de armas pesadas e organizando a infiltração de combatentes islâmicos radicais estrangeiros à Síria. Não muito tempo atrás, em 2009 quando os dois países mantinham relações amigáveis, Assad recebeu a visita da Santidade Catholicos Aram I e declarou que “os armênios deveriam manter boas relações com a Turquia e não viver no passado”.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *