Home Da Redação Discutida demanda judicial contra a Turquia pela reparação dos direitos armênios

Discutida demanda judicial contra a Turquia pela reparação dos direitos armênios

0

Erevan (arfd.info.) –

Em 5 e 6 de julho foi desenvolvida, na Academia Nacional da Armênia, a segunda reunião internacional de juristas armênios, organizada pelo Ministério da Diáspora.

51df1754bafa4Nesta reunião ficou decidida a preparação do arquivo para condenação e reparação do Genocídio Armênio exigir os direitos da Armênia e do povo armênio. 

Em um artigo recente, Giro Manoyan, diretor da Causa Armênia e Assuntos Políticos do Bureau da FRA – Tashnaktsutyun, analisou os elementos da  preparação da demanda jurídica contra a Turquia. No âmbito das relações conflitantes impostas pelo Império Turco-Otomano desde a bárbara invasão do  planalto da Armênia para a atual proximidade das Repúblicas da Turquia e Armênia, é necessário olhar atentamente para essas relações bilaterais, inclusive em seu aspecto legal.  

Ultimamente, a partir do julgamento de companhias de seguros, para a questão dos herdeiros das vítimas, os protocolos assinados em 10 de outubro de 2009, é possível ver o quanto de confusão, desorientação e divergência ainda estão conosco. Tendo em vista o centenário do Genocídio Armênio, esta deve ser uma oportunidade para definir e recuperar os direitos dos armênios. Até 2015, deve ser realizada a preparação de arquivos legais relativos às demandas armênias. Por um lado, devem ser tomadas medidas para a convergência de opiniões, eliminar as consequências do genocídio e adotar medidas concretas. Neste sentido, é importante a declaração conjunta do Catholicos de todos os Armênios e os Catholicos da Grande Casa da Cilícia, assinado em 24 de Abril de 2013 na qual reclamam  à Turquia a devolução de igrejas, conventos e ativos da comunidade armênia e que foram usurpados.  

É necessário comemorar esta iniciativa parcial como parte de uma demanda maior. A proposta 306 também foi um importante passo político, apresentado em 13 de dezembro de 2011, na Camara dos Representantes dos EUA, o qual exorta a Turquia a devolver a seus legítimos donos, as igrejas, bens e outras propriedades de todos os cristãos, incluindo os armênios. Em 2007, a Federação Revolucionária Armênia (Tashnagtsutyun) iniciou uma série de ações cujos resultados foram publicados em dezembro de 2010. Em dezembro de 2007, a FRA criou um grupo de estudo sobre a reparação do Genocídio Armênio, cujo o texto completo aparecerá em breve. 

Abaixo o leitor encontra um informe multidisciplinar para ser analisado por especialistas e o público em geral. 

Natureza do relatório:

Este estudo começa com uma descrição sintética do Genocídio, e é seguido por uma breve descrição dos danos causados ​​aos armênios como resultado deste crime.

A análise jurídica da questão da reparação é fundamentada em princípios e no histórico da jurisprudência do direito internacional, no papel dos instrumentos e acordos relativos aos tratados sobre Genocídios; A perspectiva sob o ponto de vista filosófico acerca de algumas objeções; o modelo da reparação material, definido territórios que são considerados uma compensação adequada, bem como a alternativa lógica dos pacotes sobre reparos e sua composição intrínseca; O cálculo da reparação material geral aos armênios, pelas mortes e o sofrimento causados, pela usurpação de móveis, assim como outros cálculos das consequências econômicas; O grupo  de estudo reconhece que estudos adicionais são necessários para definir aspectos mais específicos do pacote de reparação, mas, todavia, seus membros estão em completo acordo quanto ao material apresentado. Em geral, é correto do ponto de vista moral, político e legal e é a solução justa para os assuntos não resolvidos do Genocídio Armênio. 

O grupo entende que os reparos são um caminho possível para a justiça. Logo, Manoyan faz uma série de declarações e fornece uma série de detalhes a serem considerados.

1 – As demandas apresentadas separadamente por pessoas, com vista à reparação individual, não devem comprometer as nossas reivindicações  nacionais, coletivas e que despojam da liberação de sua natureza política e a convertem em simples questão material, que se transformaria num obstáculo às demandas coletivas e nacionais. Isso não significa que você deve sacrificar os direitos individuais; isso significa que os interesses individuais de um grupo de pessoas, possam se converter em antes que eles possam se tornar a fonte de benefício econômico ilimitado a determinados advogados, como assistimos recentemente, na medida em que o seguro da vida está em causa.

Wilson_Map_English_Armenian12 – Deve ser considerada como a base das fronteiras legais entre a Armênia e a Turquia, a arbitragem Woodrow Wilson, presidente os EUA, emitido em 22 de Novembro de 1920 (mapa ao lado). Até que a confecção total do arquivo jurídico, é necessário que a Assembleia Nacional Armênia adote uma resolução que proíbe a assinatura de qualquer documento que signifique abrir mão das fronteiras estabelecidas pela arbitragem: ” por sua livre vontade, a Armênia independente não pode renunciar a esse direito “. Os países signatários do Tratado de Sèvres e os governos que sucessivamente o continuam, são obrigados a reconhecer esse direito da Armênia, se desejam que as relações internacionais estejam fundamentadas sobre o direito internacional. “Isso não significa declarar guerra contra a Turquia, isso significa seguir sendo o dono legítimo de tudo aquilo que a comunidade mundial, mediante o direito internacional, já reconheceu como necessário para a vitalidade da Armênia”, afirmou Manoyan.

 À partir desse ponto de vista, são importantes –mas não suficientes, os seguintes documentos políticos e jurídicos: 

A.   – A declaração de iniciar o processo de independência da Armênia, em 23 de agosto de 1990, é a base da atual Constituição da Armênia, na qual se menciona claramente que o país deve restaurar os seus direitos históricos e apoiar o trabalho de reconhecimento internacional do genocídio.

 B. – A passagem do discurso presidencial de 10 de outubro de 2009, que afirma: “A questão pendente das fronteira entre a Armênia e a Turquia está sujeita a ser resolvida de acordo com o direito internacional”.

C. – A resolução do Tribunal Constitucional da Armênia de 12 de janeiro de 2010, que menciona: “A fronteira real entre a República da Arménia e a República da Turquia”

wilsonian_armenia

D. – A mensagem presidencial de 23 de novembro de 2010, onde a presidente armênio disse: ” O juízo arbitral do presidente dos EUA, Woodrow Wilson (veja mapa acima), referindo-se às fronteiras da Armênia é, para nós, um dos eventos mais importantes, mediante o qual deverá restabelecer a justiça histórica e eliminar consequências do genocídio perpetrado pelo Império Otomano contra o povo armênio. “Com este laudo arbitral,  reconhecem e afiançam as fronteiras da Armênia

3 – De acordo com o direito internacional, a República da Armênia, no caso de uma disputa territorial, aparecer apenas como estado espectador. As organizações sociais, seja qual for o nome, não são substitutas nem representantes da Armênia, que é o único sujeito, no âmbito do direito internacional. Também é necessário continuar exigindo o reconhecimento do genocídio armênio e suas consequências.

Para o povo armênio e da República da Armênia, é, antes de tudo, a restauração da justiça histórica. A Turquia, ao condenar o genocídio armênio e reconhecer sua responsabilidade jurídica, política e moral, criará os antecedentes necessários para estabelecer relações normais com a República da Armênia. Nesta síntese do artigo de Manoyan, que compreende outras considerações, podem ser vistas as propostas da organização integrada da FRA – Tashnaktsutyun.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *