Home Genocídio Armênio Mais um 27 de julho – Viva os 5 de Lisboa

Mais um 27 de julho – Viva os 5 de Lisboa

6

Peço licença aos leitores do Portal Estação Armênia para algumas lembranças e não reminiscências. Começo com essa distinção para dar a dimensão desse fato.

Em 27 de julho de 1983,  cinco (5)  jovens armênios do Líbano invadiram a embaixada turca em Lisboa e depois de um confronto com policiais portugueses e agentes turcos se suicidaram abraçados em torno de uma granada.

Lembro como se fosse hoje, eu tinha 17 para 18 anos e voltava do cursinho quando um amigo me disse que falavam de algo com os armênios na Tv. Corri desesperadamente para a minha casa, uma vez que noticiários sobre a Armênia e os armênios eram praticamente inexistentes naqueles anos.

Ao chegar em casa vi todo o noticiário sobre o fato. Fiquei atônito.  A medida que as notícias chegavam fui entendendo a magnitude e a importância do ato dos meninos de Lisboa.

Semanas depois comecei a notar que o assunto era tratado por muitos membros da coletividade armênia de São Paulo como loucura e insanidade chegando mesmo a condenar o ato desses jovens. Mas o que mais me marcou foi a indiferença, expressão máxima dos ignorantes. Os que ignoram a realidade são incapazes de sentir algo e portanto de expressar alguma opinião.

Muitos anos se passaram e hoje o quadro geopolítico internacional é totalmente diferente. Nas décadas de 1970 e 1980 jovens armênios utilizaram a força para chamar a atenção do mundo para o crime sofrido pelo povo armênio em 1915. Esses atos contundentes tinham a clara intenção de não deixar o genocídio armênio cair no esquecimento. 

Hoje a Armênia é um país livre com graves problemas estruturais. A situação é tão delicada que milhões de armênios já deixaram o país em busca de oportunidades em outros quadrantes do planeta.

A nação armênia de maneira geral está mobilizada para ajudar o país através de fundos de auxílio extremamente relevantes e programas de fomento nos mais diversos campos da vida econômica e social do país.

O leitor deve estar se perguntando qual a relação entre os assuntos. Devemos ajudar cada vez mais a Armênia, devemos nos comprometer cada vez mais com o Fundo Armênia, HOM, UGAB e todas as entidades preocupadas com o bem estar social da pátria mãe.

Mas essa ajuda será potencializada se estivéssemos todos engajados de maneira efetiva com a Causa Armênia. Tenho a impressão que o louvável ato de ajudar a Armênia seria ainda mais vigoroso se nos dedicássemos a buscar a justiça pelos crimes cometidos contra nossas antepassados e que continuam impunes até hoje.

Devolução dos territórios usurpados, saída para o mar, abertura das fronteiras, reconhecimento da autodeterminação de Karabagh, retomada de Naghitchevan, liberdade para Djavakh, certamente dariam um fôlego econômico ao país. Não há o que discutir.

Infelizmente a indiferença que me deixou pasmado em 1983 quando do ocorrido com os meninos de Lisboa ainda continua em relação a Causa Armênia. Que fique claro, não estou julgando se ajudamos ou não a Armênia e os armênios que tanto precisam.  Precisamos de um efetivo compromisso com a causa do nosso povo.

A Causa Armênia tem em seu bojo a questão da justiça, dos direitos humanos e do reconhecimento histórico.  Mas devemos lembrar que a Causa Armênia tem dentro dela o ressarcimento, a devolução, as indenizações que os algozes nos devem por direito.

Quem não acredita nisso e não luta por isso ainda não descobriu um modo diferente de ajudar a Armênia.

Por isso reverencio a memória dos 5 meninos de Lisboa. Simón Yahnian, Vaché Daghlian, Setrak Adjemian, Sarkís Aprahamian e Ará Kerdjalian que lembraram ao mundo que fomos vitimas de injustiças e atrocidades. Mas mais que isso, eles são um divisor de águas entre aqueles que entenderam o seu ato e são sensíveis à causa daqueles que ainda hoje ignoram a necessidade urgente do reconhecimento do genocídio.

Isso também é ajudar a Armênia economicamente…

 

Veja o vídeo e a música em homenagem ao “Lisbon 5”:

James Onnig Tamdjian Professor de Geografia e Geopolítica. Fleumático, colérico, sanguíneo e melancólico.

Comment(6)

  1. Totalmente de acordo Onnig!!! eu não sou indiferente, eu luto pelo reconhecimento e pela causa armênia. Abraço.

  2. Belissimo artigo. Parabens por manter a historia viva! Getse HAYASTAN, Getse Lisboni 5…manteremos a memoria e a passaremos a frente sempre.

  3. Muito bom Onnig.
    Não só ajudar a nossa pátria mãe como também lutar pelo reconhecimento.
    São realmente dois pontos a serem investidos por aqueles que realmente querem um futuro para a Armênia e para os armênios dispersos pelo mundo.
    Aproveitando, será que voce não poderia falar também, numa outra “reportagem” sobre o Aram Yerganian?
    abraço
    Mishd Badrasd

  4. Pois é pessoal!
    Ser Armênio não é ter apenas o “Ian” no sobrenome, é muito mais do que isso. A causa Armênia é enorme, e não fica restrita apenas ao reconhecímento do genocídio Armênio!

    Getsé Onnig Aghper Djan!

  5. Parabéns Onnig pelo artigo….
    Também concordo com Armen…. Devemos saber e ter conciência de quem foram nosso antepassados…. quem somos hoje… e o que nos tornaremos amanhã…..
    A causa deve sempre ser lembrada….. SEMPRE!!!!!

  6. Não sou Armênio e nem posso entender tamanho sofrimento deste povo.
    Mas como “Irmão” de um Armênio legitimo me senti tocado por essa história.
    E torço para que os culpados não saim impunes e o Mundo abra os olhos, para este terrível Genocídio que ocorreu.
    Lindas palavras Profº James.

    E agora vocês podem contar com mais um que não deixara a causar morrer.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *